O Poeta

Lua sorrindo no céu
Foto por Stephen Walker

O cintilar das estrelas
Banha-me em prata
Componho o último ato
A derradeira sonata.

Primeiro movimento:

Sou poeta do negrume
Vomito na folha bolha de nanquim.

O cenho à mesa, às traças
No rosto, o sorriso torto
Conformado com o fim
No fundo, um sujeito escroto
que mora dentro de mim
e que chora por veios loucos,
por versos poucos,
em soluços roucos,
um tristonho arlequim.

Segundo movimento:

A morte à espreita
Gela o meu peito
Lambe os beiços
Convida-me ao gélido leito.

Observo o orbe servo da tela negra,
a lua cheia, atrás da cortina a farfalhar.

Devaneio, em meu anseio
e o meu seio a falhar:
Como pode ser o vento invisível
se me empurra com tamanha força?

Como pode o silêncio ser tão calmo
se estoura os meus tímpanos!

Como pode a alma ser tão medrosa,
escondendo-se em minha entranha.

Terceiro movimento:

Eu, criatura atormentada,
revirada pelo álcool,
amaldiçoo meu criador
Por conceber-me
e preencher-me de dor
E o pior!
Por dar-me inteligência
e racionalidade
A capacidade do pensar
e, por isto, a de sofrer.

A brisa noturna seduz
no sufocante frio da noite
O inebriante golpe da foice
cada vez mais próximo.

Gran finale:

Não vou partir de óbito
Vou morrer em poesia,
pelo meu próprio labor
Melhor que morrer de amor!

Olho para baixo, as pedras na rua
Olho para cima e vejo a lua
E a vontade de rir, a vontade de ir.

“Da garrafa o gole
Do cigarro o trago
Da janela o salto
Da cortina o brim
No asfalto, o fim…”

Gostou do poema? Compartilhe ou deixe um comentário. Obrigado pela leitura!

Poeta e escritor nas horas vagas e não vagas. Instagram: @purapoesiaa

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.