Transporte Público

Nos coletivos,
os singulares
Trocando socos
com o relógio
O dia nem ligou a luz
Os postes ainda acesos
Nem findaram os sonhos,
talvez no meio do caminho,
em pé, sentado, cabeça na janela
Ninando com canções do rádio
Seres tão vagos dentro do lotado
À noite, os sonhos diminuem
O desejo é só chegar em casa
Dar abraço na família
Dar amasso na cama
E amanhã continuar
o sonho que não terminou
ontem...

Gostou do poema? Deixe seu aplauso, comentário ou compartilhe. Obrigado pela leitura!

Poeta e escritor nas horas vagas e não vagas. Instagram: @purapoesiaa

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.